Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

DHPP não elucidou 56% dos homicídios da Grande Aracaju em 2015

Fonte: F5 News

Mais da metade dos homicídios investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) na região metropolitana de Aracaju não foram elucidados, no ano passado. Em 56% dos 539 inquéritos abertos pela Polícia Civil, os autores dos crimes não foram descobertos e responsabilizados. Os dados fazem parte de um estudo elaborado pelo Núcleo de Análises e Pesquisas em Políticas Públicas de Segurança e Cidadania (NAPSEC), que será divulgado nesta quinta-feira (24) pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), ao qual o F5 News teve acesso com exclusividade.

Os dados da SSP mostram que Aracaju, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão concentraram o maior número de homicídios em 2015, o que eleva consideravelmente a taxa de homicídio do Estado, já que ela é calculada considerando a concentração populacional, e o colocou no topo do Mapa da Violência.

As três cidades somaram, de janeiro a dezembro, 539 assassinatos dolosos. Desses, 235 tiveram a autoria definida a partir das investigações; os outros 304 seguem sem elucidação. O estudo revela ainda que apenas 281 casos foram remetidos à Justiça, cerca de 25%, mesmo sem a definição da autoria.

O estudo mostrou que a maior parcela das vítimas tinha até 33 anos, com concentração mais acentuada entre 18 e 21 anos. Já quanto aos autores, a análise concluiu que, em sua maioria, tinham até 29 anos, com maior percentual entre 18 e 21 anos. De acordo com o levantamento da SSP, a arma de fogo foi utilizada em 86% dos crimes. Ainda segundo a pasta, 85% dos autores e 75% das vítimas tinham envolvimento com o tráfico de drogas, na condição de traficante ou usuário.

A partir deste recorte, a SSP pretende propor a elaboração de uma carta aberta em parceria com vários órgãos da sociedade civil para construção de “políticas articuladas, preventivas e contínuas, nos territórios críticos onde o crime de homicídio se reverbere com maior número”.

Will Rodrigues

Fonte: F5 News

Postagens populares