Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

domingo, 19 de agosto de 2012

Cidadãos aguardam horas para comunicar crimes ou simples extravios de documentos. Para o estado, demora razoável não deveria ultrapassar 20 minutos

Demora no registro de ocorrências vira tormento nas repartições públicas de Belo Horizonte

A aflição por ter perdido todos os documentos em um ônibus fez com que a dona de casa de 66 anos corresse ontem para a delegacia da Rua Carangola, no Bairro Santo Antônio, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. “Perdi identidade, CPF, cartão de crédito, carteira de motorista e do clube. Quem pegou isso pode usar para praticar crimes e me prejudicar. Por isso, vim o mais rápido que pude”, disse. Porém, a expectativa de fazer uma queixa criminal que a isentaria de problemas se transformou em agonia. O serviço, que é relativamente simples, levou quatro horas e 30 minutos para ser feito. Como ocorreu com a dona de casa, que pediu para não ser identificada por estar transtornada com a situação, a demora nas unidades tem desanimado vítimas de crimes, como constatou a reportagem do Estado de Minas em duas delegacias da mesma região. E tão grave quanto os transtornos enfrentados individualmente pelos cidadãos é o efeito dessa situação nas estatísticas oficiais, já que muitos crimes deixam de ser notificados por aqueles que acham melhor amargar o prejuízo que enfrentar a burocracia.

Na tarde de ontem, a média de espera pelos serviços foi de uma hora e 10 minutos nas delegacias da Rua Carangola e da Rua Michel Jeha, no Bairro São Bento. Dos 12 casos acompanhados pela reportagem, três passaram pela Polícia Militar, fase em que a demora média por atendimento foi superior, chegando a uma hora e 21 minutos. De acordo com a chefia da Polícia Civil, o tempo razoável para registrar uma ocorrência é de 10 a 20 minutos, pelo menos três vezes e meia menos que a espera enfrentada ontem nas duas delegacias.

As corporações recomendam que se ligue para o 190 quando um crime estiver em andamento, e que se vá a qualquer unidade policial para registro de episódios já consumados. Mas nem sempre é isso o que ocorre. Sob a condição de anonimato, um investigador que trabalha em uma dessas unidades admitiu à equipe de reportagem que é comum os policiais militares “tirarem o corpo fora”, indicando que os crimes devem ser registrados apenas nas delegacias. “O que mais ocorre são casos de pessoas que procuram a PM e são mandadas para cá pelos militares. A pessoa já podia ter resolvido o problema, mas acaba parando aqui, sentada, esperando em uma fila”, critica.

De acordo com o policial civil, os problemas no sistema estão entre os principais entraves para atender com rapidez. “O computador aqui (na delegacia) é uma bênção”, ironiza. “Você consegue registrar em 15 minutos o extravio de documentos, mas, quando o sistema cai, fica lento ou trava, a espera passa para 30, 40 minutos”, estima o agente. Outro problema apontado por ele e constatado pelo EM nas duas unidades é que apenas um servidor faz os registros, enquanto as pessoas se amontoam na sala de espera. Por isso não é difícil constatar que muitos cidadãos entram, percebem a demora que vão enfrentar e desistem do atendimento.

Desrespeito

Para o professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) Robson Sávio, integrante do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o cidadão não encontra estímulos para fazer o registro da ocorrência. “Além de terem de esperar tempo para fazer uma queixa policial, as pessoas são maltratadas nas delegacias e nas companhias da Polícia Militar. Muitas até desistem. Ficam constrangidas ou com medo de fazer a ocorrência”, afirma.

A dona de casa que esperou por quatro horas e meia para registrar um simples extravio de documentos no Bairro Santo Antônio chegou à delegacia às 11h. “Sentei e havia três pessoas na minha frente. O tempo foi passando. Apareceram duas pessoas, que se sentaram e os policiais as chamaram na frente, também para registrar extravios de documentos”, reclamou. Quando ela achou que seria finalmente atendida, o investigador que fazia os registros resolveu sair para almoçar sem deixar substitutos. “Tive de mofar na sala de espera até que o policial retornasse e resolvesse voltar a chamar as pessoas para fazer os registros”, conta a mulher, que só deixou a delegacia às 15h30.

Reclamações de atrasos e de não atendimento de policiais chegam com frequência à Ouvidoria de Polícia de Minas Gerais. Só neste ano, entre janeiro e junho, foram 111 queixas de solicitações policiais mal atendidas e 42 de falhas na resposta do emergência 190. A média é de uma reclamação a cada quatro dias, no caso das solicitações, e uma a cada 10 dias, para o serviço telefônico. “Nos dois casos, a Ouvidoria de Polícia, como órgão de controle social e ferramenta para aprimoramento da atividade policial, vem apontando à Corregedoria e ao Comando da PM o aumento de reclamações quanto à eficiência da atuação policial, bem como sugerindo intervenções e melhorias nos serviços prestados”, disse o ouvidor de polícia, Rodrigo Xavier Da Silva.

Fonte: Blog da Renata/Estado de Minas

Postagens populares