Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

sexta-feira, 6 de março de 2015

Segurança: Samuel cobra ações preventivas para minimizar sofrimento da população

Capitão Samuel. Foto Arquivo Aspra

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual Samuel Alves Barreto, o “Capitão Samuel” (PSL) cobrou hoje (4) do Governo a adoção de medidas de combate e prevenção à violência em Sergipe. “Infelizmente, não existe um planejamento estratégico que possa diminuir a criminalidade”, reclamou o parlamentar.

Ele ressaltou que a população está em polvorosa com tamanha fragilidade dos instrumentos da segurança pública, enquanto os bandidos estão armados e agindo livremente. Ele atribui parte do problema da insegurança ao aumento do tráfico e consumo de drogas. “As drogas respondem por mais de 50% dos crimes que são cometidos e não é somente homicídio. Não ter um plano de combate eficiente é incompetência do Governo de Jackson Barreto”, garantiu.

Samuel lembrou os dados estatísticos que apontam Sergipe como o terceiro Estado mais violento do Brasil. No seu entender, pelo menos três problemas têm contribuído para o caos que se instalou na segurança pública de Sergipe. “Um deles é a diminuição no efetivo da Polícia Militar, que, atualmente, é muito menor que a população do Estado. Considerando o último censo do IBGE, somos hoje 2,225 milhões de habitantes que contam com um efetivo de apenas cinco mil homens”, citou o deputado.

O segundo problema, de acordo com ele, é a demora na convocação de novos soldados aprovados no último concurso para a PM. O deputado Samuel relembrou que a maior convocação foi feita no governo de João Alves, em 2005, quando colocou mil homens à disposição da sociedade. “Em, 2007 o então governador Marcelo Déda prometeu convocar mais 600, como houve lentidão do Governo no processo, o concurso perdeu a validade”, contou Samuel, ressaltando que na gestão do petista, o efetivo policial era 6,5 mil.

O terceiro problema, revelou capitão Samuel, diz respeito à questão política. “A gestão é a mesma há oito anos. O governador Jackson Barreto já teve tempo suficiente para ter o controle da segurança pública, mas não o tem por falta de vontade política”, ponderou Samuel. Durante a sua fala, capitão Samuel exibiu um áudio de uma entrevista do governador Jackson Barreto (PMDB), onde ele prometia que até o final de 2014, o efetivo da PM passaria a contar com mais 600 homens. “Infelizmente, tudo ficou na base da promessa. Mais uma vez o governador não cumpriu a palavra”, afirmou.

Como líder de bancada, Samuel ratificou a sua disposição de contribuir com o Governo. “Eu não desejo criar problemas e me disponho a oferecer sugestões que engradeçam as suas ações”, disse, ao sugerir, por exemplo, que o governador reduza o grande número de cargos em comissão e enxugue, de fato, a máquina para que sobre recursos para esses investimentos. “Reduz o número de comissionados e convoca os policiais aprovados no concurso para garantir segurança à população.

Glice Rosa

Fonte: Página Oficial do Capitão Samuel

Postagens populares