Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

CBMSE: Capitão Samuel fala sobre segurança pública na Ilha FM

Baixo efetivo no Corpo de Bombeiros

Na manhã desta quarta-feira, 11, o deputado estadual Capitão Samuel foi entrevistado pelo radialista Evenilson Santana, na emissora de rádio Ilha FM. A entrevista falou sobre diversos assuntos ligados à segurança pública no estado de Sergipe, entre elas a situação da superlotação das penitenciárias e sobre a real situação do Corpo de Bombeiros.

Depois do incêndio que destruiu o supermercado Makro, na capital sergipana, o corpo de Bombeiros tomou grande parte da entrevista. O capitão Samuel fez questão de frisar a falta de estrutura da corporação e o número reduzido de efetivo.”Precisamos de concurso público com urgência, apesar de saber que ele só pode ser realizado no mês de julho, mas vamos brigar para que aconteça o mais rápido possível”, declara.

Ele ainda declarou que recebeu uma mensagem durante o programa solicitando uma retroescavadeira para impedir que o fogo voltasse a se alastra no Makro. “O Corpo de Bombeiros precisa de uma grande estrutura, a retroescavadeira é apenas um dos equipamentos que o governo precisa comprar p ara equipar a corporação trabalhe a contento e colabore com a população”, afirma.

A atual legislação prevê que o CBM tenha um efetivo de 1.200 homens, onde o estado de Sergipe possui 580 bombeiros para atender 2.250 milhões de habitantes. O número ideal, por habitantes, seria de 4.000 mil homens e por conta desse quadro o deputado solicita o concurso em caráter de urgência.

Outro assunto abordado foi a superlotação das penitenciárias sergipanas, que vem trazendo grande preocupação, pelo risco de rebeliões. Samuel ainda lembrou que os presos devem trabalhar para manter a estrutura das penitenciárias. “Os presos são criminosos e não estão ali de férias, devem pagar a pena e trabalhar para manter estas estruturas. É triste ver o cidadão de bem ganhando salário mínimo e ter os presos dando despesas altíssimas aos cofres públicos”. declara.

Fonte: Portal Folha de Sergipe

Postagens populares