Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

terça-feira, 12 de novembro de 2013

“Prevenção criminal se faz com homens nas ruas e não com prédios”, avalia Samuel Barreto.

Deputado Capitão Samuel em discurso na Assembleia
 
O deputado estadual Capitão Samuel (PSL) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde de hoje (11), para repercutir uma matéria produzida pelo Jornal Cinform, que contrasta o número de investimentos do governo do Estado com Segurança Pública e o número de homicídios registrados em Sergipe ano a ano. Samuel voltou a alertar sobre a urgência para a realização de um concurso público para as polícias Militar e Civil. Ao iniciar seu pronunciamento, Samuel disse que achou interessante a reportagem produzida pelo Cinform. 
 
“A matéria revela que Sergipe foi o quinto Estado em investimentos na SSP e o quinto em assassinatos no Brasil. O jornal usou números do Orçamento Geral do Estado, mas é preciso ver o quanto está sendo executado esse ano em Segurança Pública. R$ 794 milhões com certeza não é o valor investido na SSP. Esse é um ponto que o Cinform deveria ter verificado”. Em seguida, o deputado destacou o editorial do jornalista Josailton Lima, também no Cinform. 
 
“Ele faz considerações de 2008 a 2012. Os números dos assassinatos só crescem. E ainda dizem que Sergipe é um Estado tranquilo. É a polícia que mais soluciona os homicídios, mas é o Estado que mais mata! O problema é falta de planejamento da SSP. Fizemos uma audiência pública aqui na AL, com a Cúpula da Segurança e ficou claro que o foco é o combate às drogas, o combate aos traficantes”. Samuel disse que a própria secretaria revelou que combatendo o traficante se reduz o número de ocorrências de crimes praticados e que 50% dos crimes têm envolvimento com as drogas. “Nós perdemos para Pernambuco e para Minas Gerais, por exemplo. 
 
O comandante declara que somos a polícia que mais investiga e descobre ladrões de banco. Deveria ser a polícia que mais evita assaltos a bancos. A prevenção é o papel da PM e não investigação e repressão”. O deputado alertou para a violência que assola o bairro 17 de Março em Aracaju. “Os bandidos tomaram conta de vez do bairro. A partir das 18 horas se paga pedágio. Ou paga, ou não passa. Uma mulher de 25 anos se recusou a pagar porque não tinha dinheiro, só tinha o cartão da passagem. Findou sendo estuprada e hoje abandonou a casa que ganhou da prefeitura. E o bandido que a estuprou foi o mesmo que a abordou cobrando a taxa pela segurança do bairro. Isso não foi no interior, que já está entregue. Isso foi em Aracaju”. Samuel reforçou a necessidade do concurso para a PM. “Se o governo fizer um concurso agora, os novos militares estão formados apenas em setembro ou outubro do ano que vem. E até lá? O que fazer? O cidadão vai ter que matar o bandido como fizeram em Propriá? 
 
O governo tem que assumir logo que não tem efetivo policial e nem planejamento e começar a ouvir as pessoas. A gente vê delegacias em cidades pequenas onde consta apenas o prédio. Não há policiamento. Para conter os assaltos a banco, estão pensando em convocar os dois militares da cidade para manterem como ponto base a agência bancária. Isso é decretar a morte dos soldados!”. “Esse governo vai fazer oito anos que só enxuga gelo! Os números da violência desse ano vão bater os do ano passado. E a população está entregue a Deus. Em janeiro próximo, uma turma da PM completa 30 anos. Estamos falando de cerca de 600 homens que vão para a reserva. Imagine como vai ficar? O caos!”, acrescentou o deputado. 
 
Por fim, Samuel disse que “o PM não tira férias quando quer, mas quando o comando autoriza por questões de efetivo. Os militares queriam vender suas licenças prêmio ao governo. Aí o governador corta gastos e suspende o pagamento de licenças. O militar nem pode gozar a licença que o comando não deixa e nem recebe por ela porque o governo não paga. Estou orientando esses homens, que são mais de 30% da frota de hoje, a entrarem na justiça para garantirem seus direitos. A gente não vê uma política unificada da SSP com as secretarias de Saúde e de Ação Social. Eu digo e repito: prevenção criminal se faz com homens nas ruas e não com prédios”, concluiu.
 
Fonte: Página oficial do Facebook do Capitão Samuel

Postagens populares