Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

domingo, 9 de agosto de 2015

Esposa conta como o Cabo Santos foi assassinado; a participação do enteado de 12 anos.

Andréa Santos Coelho confessou o assassinato do cabo PM Jeová Santos, morto ontem (8) à noite enquanto dormia em sua residência, no Parque dos Farois, em Nossa Senhora do Socorro.

Andréa era esposa do militar e disse à polícia que o casal enfrentava crise conjugal, "por conta de traições". Ela disse que o marido mantinha relações extraconjugais e que, por isso, planejou com os filhos a morte do militar. Ainda segundo ela, há cerca de dois meses, "por mau comportamento", Cleverton Coelho Santos, 19 anos, seu filho, enteado do PM, foi expulso de casa.

A polícia informa que Cleverton é contumaz assaltante e traficante de drogas. Ele visitava a mãe apenas quando o militar não estava em casa. Segundo Andréa, depois que soube que a mãe havia "tomado um empurrão" do PM, arquitetou com ela e seu irmão, de apenas 12 anos de idade, também enteado do militar, a sua morte.

Combinaram que Cleverton entraria na casa para executar o PM num dia em que ele estivesse sob o efeito do álcool, dormindo. O portão da frente ficaria aberto e ele fugiria pelos fundos, onde uma escada facilitaria a subida no muro, muito alto da residência.

Ontem, o militar saiu de casa e, ao retornar por volta das 17h, foi dormir. Andréa disse que esperou que o menor de 12 anos chegasse em casa e pediu que ele fosse atrás de Cleverton, que estava em uma boca de fumo, e comunicasse ter chegado a hora de matar o PM.

Cleverton entrou na casa portando um revólver, "supostamente emprestado", e disparou tiros na têmpora do PM, que estava dormindo, sem qualquer condição para reagir. Em seguida, levou a pistola do PM, uma ponto40 que estava no guarda-roupa, e fugiu pelos fundos usando a escada, como foi combinado.

Depois, Andréa foi para a rua pedir ajuda dos vizinhos dizendo ter sido vítima de assalto. O menor só voltou para casa instantes depois. Diante das suspeitas da polícia, de que o executor conhecia bem a rotina da casa, mãe e filho de 12 anos confessaram tudo. Andréa disse que não aceitava a separação.

Fonte: NE NOTÍCIAS

Postagens populares