Conheça a ANASPRA

Postagem em destaque

Parceria Aspra Hapvida: descontos nos planos de saúde para associados Aspra Sergipe

Prezado Cliente, A parceria Divicom Hapvida , leva aos Associados da ASPRA, condições especiais com preços bem reduzidos para aquisi...

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Arrecadação do ICMS surpreende em Sergipe

Foi divulgado nesta quarta-feira (12) o Boletim Sergipe Econômico – Agosto de 2012.  Um dos dados que mais chamou atenção na divulgação foi a arrecadação do ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação) que no primeiro semestre deste ano teve o maior volume arrecadado para primeiros semestres, desde a série histórica, iniciada em 1997, em Sergipe.

A arrecadação do ICMS nos primeiros semestres de 2012, no estado, atingiu mais de 1,1 bilhão, com crescimento nominal (sem abater a inflação do período) de 20,1% sobre o primeiro semestre do ano passado. Os dados da pesquisa são da Comissão Técnica Permanente do ICMS (COTEPE) e foi analisado pelo Boletim Sergipe Econômico.

Para o economista Ricardo Lacerda, o ICMS é o imposto que os governos estaduais mais arrecadam e o valor expressivo com relação ao primeiro semestre de 2012 é fruto em grande parte do esforço da Secretaria da Fazenda do Estado de Sergipe em buscar a arrecadação desse tributo, já que outras fontes da receita têm caído.

Com relação aos cidadãos e comerciantes, o economista afirma que o aumento da arrecadação do ICMS não irá interferir em seus bolsos. ‘’ Para o cidadão e comerciantes, esse aumento não interfere diretamente em nada. Com o aumento do ICMS vai entrar mais recursos vindos dessa fonte para o governo do estado e com isso vai ajudar o cidadão na medida em que o estado pode ter recursos de políticas públicas. Esse aumento, em parte, intercore basicamente pelo crescimento da atividade econômica. Ou seja, na medida em que se produz e vende mais, se paga mais impostos. Claro que não é uma coisa que ninguém gosta de pagar, mas é um recurso necessário para que o governo possa fazer políticas públicas ‘’, declarou.

O economista finalizou explicando que a economia dos países centrais vive uma crise profunda, e isso de certa forma tem afetado a economia brasileira. ‘’A economia cresceu 7,5% em 2010, mas depois em 2011 cresceu apenas 2,7% e em 2012 deve crescer algo abaixo de 2%. Com isso, a arrecadação de tributos não tem evoluído tão favoravelmente. Esse resultado do ICMS foi muito bom, mais isso não significa que a situação das finanças do estado estejam favoráveis’’.

Fonte: Aracaju Virtual

Postagens populares